quarta-feira, 10 de junho de 2020

Brasileiros na Nova Zelândia falam sobre bloqueio severo que ajudou país contra coronavírus

Brasileiros na Nova Zelândia falam sobre bloqueio severo que ajudou país contra coronavírus

Bloqueio rígido ajudou país contra o novo coronavírus e Nova Zelândia suspendeu medidas de contenção nesta semana após anunciar não ter mais casos ativos de Covid-19.

Giro Icaraíma 10/06/2020
Um casal de brasileiros que vive em Wellington, capital da Nova Zelândia, comemora o fim do confinamento que ajudou o país a se livrar dos casos de coronavírus. Nesta semana, as medidas de contenção foram suspensas, exceto a restrição na fronteira, após o país não ter mais casos ativos de Covid-19.
"Foi diferente ver a cidade vazia. Todos neozelandeses seguiram à risca as recomendações do governo e acredito que isso fez com que alcançasse sucesso em eliminar o contágio pelo vírus ou ocorrência de casos na Nova Zelândia", afirmou o engenheiro Bruno Andrade, que vive com a esposa Daiane Oliveira há quatro anos no arquipélago do Pacífico Sul.
Foram sete semanas de um bloqueio severo, que ajudou o país a se livrar da pandemia. A Nova Zelândia adotou confinamento, fechou as fronteiras, obrigou as pessoas a permanecer em casa, fechou o comércio e suspendeu todas as atividades não essenciais.
Bruno e Daiane são de São José dos Campos, no interior de São Paulo e vivem há quatro anos na Nova Zelândia. Eles destacaram as medidas rápidas e rígidas de enfrentamento ao vírus.
"Só podíamos ter contato com pessoas que moravam na mesma casa ou manter a bolha. Poderia sair só para emergência, supermercado era limitado a apenas uma pessoa por casa. Serviços essenciais trabalharam normal e todas lojas e restaurantes foram fechados. Só saímos de casa para ir ao supermercado", disse Bruno.
Nesta semana, a primeira ministra, Jacinda Ardern anunciou que o último paciente isolado por causa do novo coronavírus teve alta e que o país não tem mais casos ativos de Covid-19. Com isso, foram suspensas todas as medidas de contenção, exceto as restrições nas fronteiras.
Eventos públicos e privados, as indústrias de varejo e hospitalidade e todo o transporte público retomaram as atividades nesta semana sem normas de distanciamento social que ainda existem em grande parte do mundo.

O arquipélago do Pacífico Sul, com uma população de cinco milhões de habitantes, registrou 1.154 casos confirmados e 22 mortes.
Por André Luis Rosa, G1 Vale do Paraíba e Região