quarta-feira, 6 de maio de 2020

Engenheiro clínico de Umuarama cria protótipo de respirador mecânico

Giro Icaraíma 
06/05/2020



Publicado em 06/05/2020 às 17:51 por Rosi Rodrigues
O engenheiro mecânico clínico do Instituto Nossa Senhora 
Aparecida de Umuarama, Marcelo Coelho desenvolveu 
o protótipo de um respirador mecânico eletrônico similar aos 
utilizados em pacientes com sintomas graves do
 Coronavírus Covid-19. 

O projeto foi apresentado a médicos do 
corpo clínico do hospital na tarde de 
terça-feira (5), que atestaram a viabilidade técnica do equipamento, 
que agora vai para o credenciamento na 
ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 
 “O projeto conta com uma ampla consultoria técnica de 
engenheiros e médicos, além de profissionais 
da área de computação e professores, mestres e doutores 
de várias universidades brasileiras e do exterior, 
conforme citado na apresentação”, disse Marcelo.
Durante as primeiras semanas do isolamento social, preocupado 
com a possibilidade de um grande número
 de casos de Covid-19 na região, o engenheiro decidiu consertar 
respiradores antigos que estavam guardados
 no almoxarifado do Instituto Nossa Senhora, alguns da década 
de 1970. Foram recuperados três respiradores
 pneumáticos, que funcionam sem o uso de energia elétrica. 

Apesar de já ultrapassados, estão em condições de
 uso. 
“Acompanhamos notícias de iniciativas assim em outros
 países, onde respiradores antigos como os que
 temos aqui foram reformados e ajudaram a salvar vidas e 
isso nos motivou”, conta. 



Depois de consertar os respiradores
antigos e estudar a evolução e a dinâmica dos equipamentos 
atuais, 
Marcelo e sua equipe resolveram
 montar um protótipo.



“O primeiro protótipo foi pneumático. Um equipamento 
simples de ventilação, mas que poderia ser
 facilmente produzido em caso de uma necessidade 
extrema”, relata o engenheiro.  
Os estudos continuaram e, em poucas semanas, chegou-se 
ao segundo protótipo, desta vez de um 
respirador eletrônico, com configuração similar aos utilizados
 em hospitais para o tratamento de
 pacientes com Síndrome Respiratória 
Aguda Grave – uma das complicações do Covid-19. 
“Ainda não estamos livres da iminência de um grande número 
de doentes aqui na nossa região. 



Por isso mesmo, estamos submetendo o nosso projeto para 
avaliação técnica dos profissionais de saúde e
 buscando o seu e credenciamento junto aos órgãos
 competentes”, explica Marcelo.

O protótipo segue as normas da Associação Brasileira de 
Normas
 Técnicas - ABNT NBR ISO 80601-2-12:2014 e regulamentações
 técnicas da 
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. 

Os profissionais também estão
 buscando apoio técnico junto ao Instituto Nacional de 
Metrologia, Normalização e 
Qualidade Industrial – INMETRO.
Segundo ele, o primeiro passo é a regulamentação junto a 
ANVISA. “A avaliação dos profissionais 
do Instituto Nossa Senhora nos ajudou muito. Estamos 
fazendo alguns ajustes, adaptações e mudanças 
sugeridas por eles e queremos estar com tudo pronto, caso 
haja a necessidade de produzir esses equipamentos, 
mesmo que em pequena escala inicialmente”, disse Marcelo.

O projeto conta com o apoio da direção do Instituto Nossa 
Senhora Aparecida e de empresas parceiras.
 “A dificuldade para adquirir equipamentos médicos no 
mercado mundial, especialmente os respiradores
 mecânicos, nos fez olhar com mais atenção para este projeto. 

O momento ainda é de alerta máximo e não
 podemos descartar nenhuma possibilidade”, disse o gestor do
 Instituto, Cristiano Nelli. 
Outro ponto destacado por Nelli é a dependência de mercados
 externos para o fornecimento desses 
equipamentos ou das peças e insumos para sua fabricação no 
Brasil. “Com isso o Instituto Nossa Senhora 
Aparecida quer dar seu apoio ao desenvolvimento da ciência 
e da tecnologia nacional e apoiar a reflexão 
sobre a necessidade de mais investimentos públicos e privados 
no setor”, enfatizou. 

A equipe de engenheiros envolvida na construção do protótipo 
do respirador mecânico em Umuarama
 trabalha 
voluntariamente no projeto. 

O Instituto Nossa Senhora Aparecida cedeu alguns 
insumos, além de 
equipamentos antigos e a consultoria de médicos do corpo 
clínico e profissionais de saúde que
trabalham diretamente com respiradores mecânicos no seu 
dia a dia. Outras empresas colaboraram doando 
equipamentos e insumos.