segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Governo cobra de Boulos, MST e CUT prejuízo causado por vandalismo em atos contra a reforma da previdência

AGU pede o pagamento mínimo de R$ 105 mil.

A Advocacia-Geral da União está pedindo pelo menos R$ 105 mil de Guilherme Boulos, líder do MTST, e de lideranças do MST e CUT, relativos ao prejuízo causado pelo vandalismo e a interdição de ruas e avenidas durante atos contrários à Reforma da Previdência.

Boulos publicou no Facebook: “Depois de denunciar na Revista Época que recebi absurdas intimações judiciais sobre casos de 7 anos atrás, hoje chegou mais uma. Ação da AGU pedindo R$105 mil por uma manifestação contra a Reforma da Previdência em 2017 em Brasília, dirigida a mim e a liderança do MST e da CUT. Exatamente na semana em que Bolsonaro quer apresentar a sua Reforma da Previdência. Repito mais uma vez: Não vão nos intimidar com perseguição judicial. Vamos às ruas em defesa dos direitos!”
Boulos publicou um trecho do documento. Nele, é possível ler os pedidos da AGU:
“Devido à baderna promovida, a União se viu privada de um dia de produtividade dos servidores federais lotados no Ministério da Fazenda e no Ministério do Trabalho e Emprego, razão pela qual há de ser ressarcida, também, pela quantia equivalente a um dia de trabalho de todos os servidores ali lotados.”

E também: “Decretar a integral procedência do pedido, para efeito de condenar os representantes da coletividade ré, solidariamente, ao pagamento mínimo de R$ 105 mil, corresponentes ao valor estimado dos prejuízos causados pela depredação.”
O advogado e coordenador do MBL, Rubinho Nunes, publicou no Twitter.
“Fechar rodovias, atear fogo em pneus, invadir propriedade alheia, tudo isso é crime, não adianta Reclamar da AGU, Guilherme Boulos. Ela está apenas cumprindo o papel de processar terroristas e criminosos. Vai ter que fazer muita vaquinha para pagar as multas “